Blog

DTM Disfunção TemporoMandibular e Dor Orofacial

Sentir o maxilar estalando ou a mandíbula travando não é incomum – com certeza, você ou algum conhecido já passou por isso em algum momento. Entretanto, se esse quadro se repete com frequência e ainda com dores, é preciso ficar alerta. Pode ser que se trate de DTM, sigla para Disfunção da articulação TemporoMandibular, que liga os ossos do ouvido aos da mandíbula.

A Articulação Temporomandibular (ATM) – “É o nome da articulação que fica próxima ao ouvido, bilateral, que liga conecta o osso temporal à mandíbula”. “Além de ossos, esta articulação é composta de ligamentos, menisco e musculatura.” A ATM comanda todos os movimentos da mandíbula – também chamada de maxilar inferior – incluindo comer, falar e mastigar. Por isso, mesmo sendo pequena, ela é uma das partes mais complexas do corpo humano!

Disfunção da Articulação Temporomandibular (DTM), também chamada de dor orofacial. Aqui, estão incluídos sintomas como mandíbula estalando, dores de cabeça frequentes e até mesmo dificuldades para abrir e fechar a boca. Embora seja um quadro comum, esse transtorno é pouco conhecido e, por isso, pode demorar a ser identificado.

Fatores relacionados ao desenvolvimento de disfunções na ATM:

  • traumas na mandíbula;
  • artrite na ATM;
  • postura;
  • características anatômicas, relacionadas à formação da mandíbula durante o nascimento;
  • hábitos como morder os lábios ou bochechas;
  • hábitos como apoiar a mandíbula nas mãos, morder pontas de caneta e roer as unhas
  • distúrbios do sono e dificuldade de dormir;
  • estresse;
  • Além disso, o bruxismo – caracterizado pelo ranger involuntário dos dentes – também pode estar relacionado ao surgimento dos problemas na ATM.

Outros sintomas incluem:

  • Dores no pescoço e nos ombros;
  • Mudança brusca no encaixe da mandíbula;
  • Sensação de “clique” ao abrir e fechar a boca;
  • Flacidez nos músculos dessa região;
  • Cansaço no rosto, principalmente ao mastigar.

Os tratamentos para os transtornos na ATM incluem:

  • Fisioterapia;
  • Cirurgia;
  • Acompanhamento psicológico, neurológico, reumatológico, otológico;
  • Exercícios para relaxamento muscular;
  • Termoterapia para controlar a dor durante crises;
  • Placas estabilizadoras ou reposicionadoras;
  • Viscosuplementação;
  • Medicamentos.

 

Siga nossas redes sociais:

Facebook
Instagram
Youtube

Pessoas que leram este artigo, leram também:




× AGENDE SUA CONSULTA!